Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Confia

por Pequenos Pedaços de Sonho, em 18.06.20

 Confiar.png

 Confia. Confia no destino, na sorte, em Deus, em e no que tu quiseres. Mas confia. Confia e acredita que tudo vai correr bem. Cliché? Talvez. Mas tens que confiar. Tens que acreditar.

 Mantém esse verde esperança no teu olhar, mesmo quando tudo está escuro, mesmo quando tudo parece perdido. Esse verde esperança que, passo a passo, pode ajudar a colorir o teu mundo.

 Eu sei que não é fácil. Não te enganes, eu sei exatamente o que sentes quando o chão treme e o mundo parece um lugar demasiado grande e demasiado escuro. Ao contrário do que pensas, não carregas todo o peso do mundo sozinha nas tuas costas. Liberta o peso que não é teu. Deixa para trás tudo aquilo que não depende de ti mudar, que não depende de ti concretizar.

 Quando libertares esse peso, quando te concentrares em ti e apenas nos problemas que dependem apenas de ti, vais ver que o mundo já não vai parecer um lugar assim tão complicado. Olha para dentro de ti e procura a esperança e a força para continuar a lutar. Mas também aprende a desistir. Lutar por algo em vão, vai tirar-te tempo e forças para aproveitar outras coisas na vida. Encontra o teu balanço, o teu tempo, o teu lugar, as tuas pessoas. E lembra-te, às vezes só temos que confiar. Confiar que o destino vá pôr tudo no lugar. Heart.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado às 15:44


Vai menina...

por Pequenos Pedaços de Sonho, em 17.06.20

arame farpado.jpg

Perdida pelo céu adormecida, arriscando cada passo que dá, ela teme mas a vida ensinou-a a lutar! Então ouve-se silenciosamente outro passo deveras calculado. Sente-se o sorriso dos seus olhos escondidos pela timidez melíflua que ninguém vê. Escuta-se o tremelicar da sua boca, quando um meteorito lhe passa de raspão… é apenas mais uma cicatriz pequenina, com o simples intuito de tornar o atalho menos duvidoso.

Vai menina, marcha nessa vida que é só tua! Não olhes para trás, não vá te desequilibrares, olha apenas as cicatrizes que vão desaparecendo em cada passo que dás…

Autor Desconhecido

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado às 15:20


Receita à Sexta - Waffles Belgas

por Pequenos Pedaços de Sonho, em 05.06.20

Waffles Blog.PNG

  Hoje vou partilhar convosco a minha receita preferida de uns maravilhosos Waffles Belgas. Com uma bola de gelado e nutella, ficam de comer e chorar por mais!!

 

Ingredientes:

  • 7g de fermento de padeiro
  • ¼ chávena de leite morno
  • 3 gemas
  • 2 chávena + ¾ chávena de leite morno
  • ¾ chávena de manteiga
  • ½ chávena de açúcar
  • 1,5 colher de chá de sal
  • 2 colheres de chá de extrato de baunilha
  • 4 chávena de farinha de trigo
  • 3 claras

 

Preparação:

  Numa tigela pequena, dissolva o fermento com ¼ chávena de leite morno e reserve por 10m. Numa outra tigela, misture as gemas com ¼ chávena de leite e a manteiga derretida. Junte a mistura de fermento, acrescente o sal, o açúcar e a baunilha. Junte o leite restante (2+2/4 chávena) e a farinha, alternadamente, terminado com a farinha.

  Bata as claras em castelo e junte ao preparado. Tape o preparado com papel celofane e reserve num local livre de correntes de ar por 1 hora.

  Aqueça o aparelho de fazer waffles, unte ligeiramente com manteiga e vá fazendo os waffles. Sirva imediatamente com a cobertura que desejar.

 

Bom apetite!

Tenham um ótimo fim-de-semana, com todos os cuidados! Heart.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado às 20:24


Quando era criança

por Pequenos Pedaços de Sonho, em 01.06.20

Post 009.png

Quando era criança queria ser veterinária. Mas depois descobri que tenho medo de animais grandes.

Quando era criança queria ser astronauta. Mas depois descobri que tenho medo de alturas.

Quando era criança queria ser pintora. Mas depois descobri que as tintas não chegavam para pintar a minha tela.

Quando era criança queria descobrir o mundo. Mas depois descobri que o mundo não me chegava.

Quando era criança queria mudar de lugar. Mas depois descobri que o mundo é redondo e leva-nos sempre ao mesmo lugar.

Quando era criança queria crescer. Mas depois descobri que queria ser de novo criança.

 

Feliz Dia Mundial da Criança Heart.png

Quem dera que todas as crianças tivessem os mesmos direitos, as mesmas oportunidades e o mesmo amor!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado às 21:00


Vamos falar de amor? #2

por Pequenos Pedaços de Sonho, em 27.05.20

Post 008.png

Vamos falar de amor?

  O Paulo tinha apenas quatro anos quando foi deixado no orfanato. Um lindo rapaz de olhos verdes e cabelo castanho. Um doce de criança, sempre sorridente. Mas a mãe decidiu que não o queria mais e abandonou-o à sua sorte. Durante dez dias o Paulo chorou compulsivamente, perguntando sempre pela mãe. Pobre criança, não conseguia perceber o que lhe estava a acontecer. Quem eram aquelas crianças todas à sua volta, quem eram aquelas mulheres simpáticas, mas sem tempo para ele. Os dias foram passando e a alegria natural dele foi-se desvanecendo. Até o verde dos seus olhos não era igual. Os olhos eram baços, espelhavam tristeza. Ele tornou-se numa criança solitária. Pouco brincava e quase nunca sorria. Até que um dia uma senhora foi visitar o lar, e resolveu brincar com ele. A Sofia tinha 30 anos e o desejo de ser mãe. Encantou-se pelo Paulo e começou a ir visita-lo todas as semanas. Aos poucos foi ganhando a confiança dele e, de vez em quando, conseguia arrancar-lhe um sorriso. Foi longa a espera, mas finalmente a Sofia conseguiu adotar o pequeno Paulo, agora com 7 anos. Quando chegou à sua nova casa, conheceu a Laura, a sua outra mãe. Tinha um quarto inteirinho só para ele, cheio de brinquedos que ele nunca tinha visto. Rasgou um sorriso e, ainda a medo, começou a pintar naquela mesinha amarela que tinham deixado para ele. A Sofia e a Laura estavam radiantes e fizeram de tudo para que o pequeno Paulo se sentisse em casa. Aos poucos foram-se conhecendo e o amor delas por ele foi crescendo cada vez mais. E esse amor devolveu-lhe o brilho ao olhar, o sorriso aos lábios e a alegria própria de uma criança. Hoje são os três muitos felizes. O Paulo vai entrar para o secundário e diz de peito cheio que tem as melhores mães do mundo. Hoje são a família mais unida e a mais feliz. E isto é amor.

  Vamos falar de amor. Amor que é amor. Amor que não importa a sua forma, não importa o género, a religião, a idade. Amor que apenas pede amor em troca. Amor que é amor. Porque amor é amar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado às 16:28


Receita à Sexta - Beijinhos de Preta

por Pequenos Pedaços de Sonho, em 22.05.20

Beijinhos de preta 2.PNG

  Hoje resolvi começar uma nova rúbrica no meu blogue: a Receita à Sexta.

  Todas as sextas vou partilhar uma das minhas receitas preferidas e as que faço com maior frequência, algumas doces, outras salgadas. 

  Para começar, vou partilhar uma receita doce, super fácil de fazer, que aprendi com a família de uma das minhas tias: Beijinhos de Preta

  A foto foi tirada há umas semanas, na última vez que fiz. Estavam maravilhosos!

  Aqui vai a receita:

 

Ingredientes:

  • 1 tablete de chocolate culinária de 200g;
  • 1 pacote e meio de bolacha Maria;
  • 3 ovos inteiros;
  • 3 colheres de sopa de manteiga;
  • Coco ralado q.b.

 

Preparação:

  Começa-se por derreter o chocolate juntamente com a manteiga (costumo fazê-lo no micro-ondas, tirando a cada 60 segundos para mexer, de forma a não deixar queimar o chocolate).

  Enquanto o chocolate derretido arrefece um pouco, esmaga-se a bolacha Maria o mais possível, de preferência usando a máquina 1 2 3, de forma a que a bolacha fique em pó.

  Ao chocolate derretido, depois de quase frio, juntam-se os ovos inteiros e mexe-se muito bem. Em seguida, vai-se acrescentando a bolacha moída sempre a mexer (se achar a massa muito mole, juntar mais bolacha).

  Quando o preparado estiver em condições para se conseguir manusear com as mãos, fazer bolinhas e passá-las pelo coco ralado. Dispor num prato e pronto a comer na hora.

Dica: Passado umas horinhas fica com melhor sabor.

 

Experimentem...Bom proveito!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado às 17:28


Uma questão de sorte

por Pequenos Pedaços de Sonho, em 21.05.20

Post 006.png

"Toda a gente chega onde é esperada"

(José Saramago)

  Sempre acreditei que cada um de nós tem um destino e, de uma maneira ou de outra, todos acabamos por lá chegar. Talvez não faça parte do meu destino viver um grande amor. Eu, uma amante de poesia, amante de grandes histórias de amor, eu que sempre sonhei viver cenas dos meus filmes preferidos. Talvez eu, mesmo sendo uma romântica incurável, não esteja destinada a viver um grande amor digno de um livro de Nicholas Sparks. E tenho que me habituar à ideia.

  Algumas pessoas nascem para ser artistas, outras para serem mães ou pais, outras para amarem, outras nascem (infelizmente) para sofrerem. E outras, tal como eu, nascem para os outros. Acredito que o meu destino seja continuar a lamber as feridas dos outros, limpar-lhes as lágrimas e chorar as minhas sozinha. Talvez seja o meu destino segurar o mundo dos outros, enquanto o meu está em ruínas. Talvez seja assim. Talvez eu tenha nascido para ajudar os outros. Resolver os seus problemas, segurar-lhes as mãos, dar-lhes força e apoio, fazendo-as sentir que não estão sozinhas. E à noite, na solidão do meu quarto, sentir isso mesmo: solidão.

  Claro que existem (infelizmente) milhares de pessoas piores do que eu. Felizmente eu nunca passei fome, nunca sofri de maus-tratos, não vivo num país em guerra. Mas já tive a minha quota-parte de sofrimento. E depois das rasteiras da vida, achava que merecia viver um grande amor. Mas o amor não é uma questão de merecimento. O amor é uma questão de sorte. Sorte em encontrar a pessoa certa, no lugar certo, no tempo certo. Grandes amores se perderam apenas por não se encontrarem no tempo certo.

  Acredito que cada um de nós tenha uma alma gémea, um amor de uma vida. Mas acredito também que muitos já a encontraram e nem deram por isso. Não era o lugar, não era o tempo. E, por força da corrente da vida, foram cada um para seu lado. Vivendo outros amores, mas nunca o grande amor de uma vida. E é por isso que acredito que o amor é uma questão de sorte. Talvez eu já tenha encontrado o amor da minha vida, quem sabe. Mas se o encontrei, deixei-o ir. Talvez por não ser o lugar, talvez por não ser a hora.

  O amor é uma questão de sorte. E eu nunca fui sortuda. 

  (Talvez um dia a sorte possa mudar.)

 

PS: Este texto foi escrito há mais de cinco anos. E...adivinhem?! 

A minha sorte mudou! Heart.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado às 16:23


Já fizeste um dominó?

por Pequenos Pedaços de Sonho, em 20.05.20

Já fizeste um dominó? Já pensaste que a existência humana é tantas vezes assim? Passamos dias, semanas, meses, anos a construir os nossos sonhos e, num breve instante, alguém tropeça neles e tudo se desfaz, numa sucessão de azares impossível de travar. E tudo se desmorona como um castelo de cartas.

Quando o meu dominó começa a cair, junto-lhe mais peças na cauda e aproveito para limpar fantasmas na enxurrada. Ao menos sofro tudo de uma vez, condenso a frustração num par de dias e depois fico a enxaguar a tristeza até ela secar ao sol.

Então, com muita calma, começo a montá-lo outra vez e, aos poucos, vejo-o a crescer sozinho, como se o embate que fez cair as peças tivesse o poder de as levantar.

 Margarida Rebelo Pinto

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado às 12:03


Metades Iguais

por Pequenos Pedaços de Sonho, em 19.05.20

 

Post 004.png

  Eles são duas metades iguais. Metades da mesma laranja. Metades de uma laranja podre. São os dois confusos, atrapalhados e têm uma tendência para estragar tudo de bom que lhes acontece.

  A vida fê-los esbarrar um no outro diversas vezes. Mas durante muito tempo não souberam agarrar a oportunidade. É como se soubessem que se iam voltar a encontrar. E seguiam vidas separadas. Ele, com o seu terrível medo de compromissos, passava as noites num qualquer bar. Desfilava com as suas novas conquistas. Conquistas que afastava à medida que elas se envolviam. Não queria emoções. Não queria sentimentos. E rodeado de mulheres, era a pessoa mais solitária do mundo. Ela, após várias desilusões, tinha desacreditado no amor. Queria estar sozinha. Queria e pensava que podia estar sozinha. Claro que também teve a companhia noturna de alguns homens. Afinal, a solidão é muito mais insuportável à noite.

  Voltaram a encontrar-se, três anos após a última vez. Falaram, riram, abraçaram-se e beijaram-se. Havia uma espécie de linha que os unia, que os entrelaçava e os obrigava a ficar frente a frente. Não sabiam se era apenas atração ou desejo, mas nunca conseguiam resistir-se. E, como de todas as outras vezes, passaram a noite juntos. Ambos sabiam o que ia acontecer na manhã a seguir. Tomariam o pequeno-almoço juntos e ele ia embora com a promessa perdida de ligar um dia destes. Mas nada disso importava. Tudo aquilo era mais forte do que eles. E que mal tem uma paixão assim?

  A manhã veio e com ela a realidade. Ele acordou mais cedo. Olhou-a com ternura e pensou em partir sem despedidas. Mas o corpo não respondia ao pensamento e voltou a abraça-la. Ela teve vontade de abrir os olhos, mas manteve-se imóvel com a esperança que o tempo parasse. Nenhum dos dois se sentia assim com mais ninguém.

  - E se desta vez eu ficar para almoçar? – disse ele enquanto bebia o café que ela lhe tinha feito.

  - E se ficasses para jantar? – respondeu ela com um sorriso amedrontado.

  - E se…e se desta vez eu ficasse para sempre?

  Abraçaram-se, beijaram-se, prometeram-se. Talvez agora seja o tempo certo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado às 11:39


Matemática dos Sentidos

por Pequenos Pedaços de Sonho, em 18.05.20

 

Post 003.png

  Hoje dediquei-me à matemática. Fiz todas as somas subtraídas das raízes quadradas dos quadrados perfeitos de todos os nossos encontros. E a solução foi a mesma em todas as contas: um número irracional que multiplicado por dois faz todo o sentido. E a divisão destes sentimentos é a consolação de duas almas que, por fim, se encontraram.

  Quando tento racionalizar o que sinto, vejo com clareza que temos um raio de simetria. A escala do meu sorriso quando te vejo é demasiado alta para estimar. Peguei na calculadora e tentei descobrir qual a variação da função dos nossos sentidos. A derivada dos sonhos que podemos construir em conjunto. O nosso denominador comum que pode reduzir a zero o ângulo agudo que nos separa. E ainda que juntos formemos um complicado e difícil algoritmo, carregado de números fatoriais, a fórmula será sempre maior do que zero. A probabilidade da nossa soma subtraída será sempre melhor do que a multiplicação de todos os meus quadrados imperfeitos.

  Porque bem-feitas as contas, um e um são dois. Mas eu e tu podemos transformar-nos em milhares de momentos dignos de contagem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado às 20:58


Mais sobre mim

foto do autor


Sigam-me


Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D